quarta-feira, 16 de março de 2011

Brasil poderá ter até 93% de fontes renováveis de energia, afirma estudo feito pelo Greenpeace



Racionamentos de energia e conflitos pela Usina de Belo Monte são temas constantes nos noticiários brasileiros nos últimos tempos. E o que você diria, se eu dissesse que em até 2050 o Brasil pode abolir as usinas nucleares, desativar hidrelétricas e ainda aumentar sua energia? Que é loucura? Que não há esta possibilidade? Ou que simplesmente é algo longe dos nossos padrões?

Esta realidade está bem próxima sim, podemos sim ter até 2050 quase a totalidade de nossa energia vinda de fontes renováveis. Pelo menos é o que diz um estudo divulgado recentemente pelo Greenpeace Brasil em parceria com com especialistas do setor energético, e lançado hoje na COP16, em Cancún.
 Intitulado “Revolução energética, a caminho do desenvolvimento limpo”, o levantamento aborda o uso inteligente de várias fontes de energia abundantes no Brasil, como a eólica, de biomassa, solar e oceânica, que diminuiria absurdamente o nível de poluentes que as atuais fontes causam. Além disso, o levantamento elucida ganhos que o País poderá ter no PIB e também economia nos caixas públicos.
A “revolução energética” como é pregada no estudo, é constituída por algumas matrizes, são elas:
• Respeitar os limites naturais do ambiente;
• Eliminar gradualmente fontes de energia poluentes e não renováveis;
• Colocar em prática soluções renováveis, especialmente por meio de
sistemas de energia descentralizados;
• Promover a equidade na utilização dos recursos;
• Desvincular crescimento econômico do consumo de combustíveis
fósseis. 

Se o estudo vai se concretizar não há como saber, mas que se deve repensar até que ponto vale a pena usufruir de energia nuclear. Também devemos ter em mente que podemos sim apostar em novas fontes energéticas renováveis, para que novos acidentes nucleares aconteçam.

O link do estudo:  http://www.greenpeace.org/brasil/Global/brasil/report/2010/11/revolucaoenergeticadeslimpo.PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário